Especialista fala de mitos e verdades sobre o ganho de peso na menopausa (Foto: Divulgação)

À medida que envelhecem, as mulheres podem perceber uma certa dificuldade em manter o peso normal, sobretudo com a chegada da perimenopausa e da menopausa, período no qual o ganho de peso pode chegar até 1,5 quilo por ano.

> Siga o Virgula no Instagram! Clique e fique por dentro do melhor do Entretê!

Considerando as peculiaridades da biologia hormonal feminina e outros aspectos sociais, torna-se desafiador construir um processo de emagrecimento eficaz para elas neste período  e esta especificidade pode gerar muita angústia e dúvidas.

A Dra. Daniela Hurtado Andrade, M.D., Ph.D., endocrinologista e especialista em obesidade na Mayo Clinic em Jacksonville, compartilhou algumas informações valiosas para esclarecer dúvidas sobre esse tema. Abaixo, destacamos alguns mitos e verdades relacionados à relação entre o sobrepeso, obesidade e a chegada da menopausa nas mulheres.

É muito mais difícil perder peso após o início da menopausa

VERDADE. É consideravelmente mais desafiador. As alterações hormonais, por si só, não são a única causa do ganho de peso que também estão relacionados ao envelhecimento, estilo de vida e genética, mas elas contribuem para a mudança corporal. O declínio dos níveis de estrogênio e a queda de testosterona contribuem para a perda de massa muscular. Isso resulta em uma queima de calorias, seja em repouso ou durante o exercício menos eficiente, facilitando o acúmulo de gordura.

“Muitas vezes a mulher na menopausa acaba utilizando a mesma restrição calórica e o gasto energético que costumava utilizar para emagrecer no passado, mas não obtém o mesmo resultado.” ressalta a Dra. Hurtado.

As mudanças podem começar bem mais cedo do que se imagina

VERDADE.  “As variações no peso não estão limitadas à meia-idade ou à menopausa. Estudos indicam que o aumento de peso começa a ocorrer já na fase inicial da idade adulta”, esclarece a Dra. Hurtado. “Por volta dos 30 anos, a massa muscular começa a diminuir de forma gradual como parte do processo natural de envelhecimento, intensificando-se durante a meia-idade devido à menopausa.” A redução da massa muscular resulta em um metabolismo mais lento, um fator de risco para o ganho de peso.

A médica ressalta que é importante para a mulher reconhecer estas mudanças físicas antecipadamente para o monitoramento dos futuros sintomas e o desenvolvimento de um plano eficaz para reduzir o aumento de peso. “Estar ciente de que as mudanças físicas relacionadas ao peso começam antes da meia-idade pode ajudar as pessoas a compreender a importância de estabelecer e manter um estilo de vida saudável, que inclua uma alimentação adequada e exercícios.”

A terapia hormonal pode ajudar no emagrecimento

EM PARTES.  A terapia hormonal não serve exatamente para frear a perda de peso; é geralmente usada para tratar sintomas vasomotores, que são episódios súbitos de sensação de calor na face, pescoço e parte superior do tronco, geralmente acompanhados de rubor facial, sudorese, palpitações cardíacas, vertigens e fadiga muscular. No entanto, esses sintomas podem impor limitações nas tarefas do dia a dia, como fazer exercícios e ter uma boa noite de sono, fatores essenciais para o emagrecimento. O tratamento hormonal também pode ajudar a redistribuir a gordura que se acumula no centro do corpo ou no abdômen que costuma aumentar durante a menopausa;

Deve-se aumentar o tempo de exercícios aeróbico

MITO. Quando uma mulher chega à menopausa, a perda de estrogênio tende a alterar a distribuição da gordura, que passa a se acumular mais na região abdominal. Diante deste aumento, é comum que algumas mulheres tentem aumentar o tempo de exercícios aeróbicos para reverter este processo, no entanto, essa pode não ser a estratégia mais indicada.

Exercícios aeróbicos são importantes para a manutenção da saúde cardiovascular e para o aumento do gasto calórico, mas diminuir o impacto da perda de massa muscular gerada tanto pela menopausa quanto pelo envelhecimento deve ser prioridade.  Por isso é necessário adotar uma rotina de exercícios que envolva treinamento de resistência combinados se possível com treinamento intervalado de alta intensidade que tende a preservar mais os músculos.

“Isso pode ter um impacto significativo nos resultados da perda de peso”, explica ela. “Uma das razões pelas quais chegamos a um platô durante o processo de emagrecimento é a perda de massa muscular, levando a uma desaceleração do nosso metabolismo.”ressalta a endocrinologista

O uso de medicamentos como Ozempic são a solução mais rápida e eficaz

EM PARTES. Medicamentos como o Ozempic diminuem a fome e proporcionam mais saciedade, o que acaba auxiliando pacientes a perder cerca de 15 a 20% do peso corporal; entretanto, eles têm indicações específicas. “São tratamentos que devem ser prescritos para pessoas com índices de massa corporal (IMC) superiores a 30 ou pacientes já com enfermidades decorrentes do sobrepeso” diz Hurtado.

No caso das mulheres na menopausa, a medicação pode ser interessante para pacientes em que se observa um ganho muito rápido de peso, como 5 quilos por ano, pois o aumento drástico de peso pode acarretar outras enfermidades graves como diabetes, hipertensão e outros problemas cardiovasculares. No entanto, mesmo com a prescrição, devemos estar atentos às reações adversas, alerta a Dra. A endocrinologista ressalta que 30-50% dos pacientes sofrem algum tipo de reação, como distúrbios gastrointestinais, náuseas, refluxo e também problemas vesiculares, reações que podem eventualmente prejudicar a absorção de nutrientes essenciais para a saúde. Além disso, existem relatos de pacientes que utilizaram o medicamento e, após a interrupção do uso, notaram uma mudança no apetite e na saciedade, ocasionando o retorno ao peso anterior ou mesmo aumento dele.

É impossível reverter o ganho de peso de forma natural.

MITO. As mudanças corporais decorrentes do envelhecimento são inevitáveis; no entanto, com a adoção de alguns hábitos, é possível diminuir seu impacto. Adotar uma dieta de restrição calórica (entre 1400 a 1500 calorias), mas rica em proteínas, cerca de 1 a 1,2 gramas por peso corporal, pode ajudar a frear a perda drástica de massa muscular. Além disso, adotar um plano alimentar com menos açúcares, gorduras e alimentos processados e adicionar mais fibras e produtos naturais nas refeições auxilia comprovadamente a saúde feminina.

Também é importante adotar tratamentos que diminuam possíveis sintomas da menopausa e que podem interferir não só no sono como na disposição e na saúde mental da mulher. Reduzir o consumo de álcool e tabaco, suplementar nutrientes e vitaminas como: magnésio, zinco, vitamina K, vitaminas A, C e E, e os ácidos graxos saturados e até adotar terapias com fitoterápicos e fito hormônios  podem auxiliar melhorar o bem-estar da mulher nesta fase da vida.


int(1)

Especialista fala de mitos e verdades sobre o ganho de peso na menopausa