Banda do Candinho comemora 40 Carnavais com homenagem a Zé Celso (Foto: Divulgação)

Uma homenagem a arte irreverente do dramaturgo José Celso Martinez Correa, o Zé Celso, e a defesa de organizações que trabalham pelo combate à fome são os temas que estarão em destaque no desfile da Banda do Candinho neste ano de 2024, que acontece no dia 7 de fevereiro a partir das 19h, no bairro do Bixiga, em São Paulo.

> Siga o Virgula no Instagram! Clique e fique por dentro do melhor do Entretê!

Com as tradicionais marchinhas e frevos carnavalescos, além das famosas passistas, uma banda musical e bateria afinadas, garantirão muita animação no desfile que é famoso por atrair multidões. O desfile deste ano contará também com outras atrações. A presença do bloco Filhos do Zé, formado por integrantes do Teatro Oficina, espaço cultural icônico no Bixiga, fundado por Zé Celso. E a participação especial da Academia de Capoeira Quilombola de Luz.

A Banda do Candinho, um dos blocos pioneiros do carnaval de rua paulistano, comemora 40 carnavais e 42 anos de existência e resistência, como afirma o presidente Candinho Neto, que é jornalista, fundador da Associação das Bandas Carnavalescas de São Paulo/ABASP e tão icônico quanto o bloco. “Nascemos na rua Major Quedinho, na redação do antigo jornal Popular da Tarde (que depois e tornou o Diário Popular) e desde então em meio aos desafios, nunca deixamos de executar a proposta maior, levar para as ruas e para a população a arte e a alegria do carnaval, de forma gratuita e democrática”, afirma.

Democratizar a arte era também uma das maiores bandeiras do teatrólogo Zé Celso, que morreu no ano passado e será o grande homenageado no desfile da Banda do Candinho. “O Teatro Oficina é uma das grandes pérolas do bairro do Bixiga e Zé Celso é nosso eterno gênio da criação. A homenagem da Banda do Candinho é mais do que justa, pois a contribuição do Zé para cultura brasileira e do mundo é inestimável”, comenta o presidente do bloco.


int(1)

Banda do Candinho comemora 40 Carnavais com homenagem a Zé Celso