Psicólogo explica o que está por trás da aceitação de famosos sobre maquiagem (Foto: Divulgação)

A cantora Sandy esteve no Fantástico no domingo passado (26), no quadro “Angélica: 50 e Tantos”, e fez uma revelação honesta sobre sua autoestima. Envolvida na mídia desde a infância, a cantora, agora com 40 anos, compartilhou que não se sente confortável aparecendo em público sem maquiagem. “Vejo vocês postando foto sem filtro. Não consigo fazer isso. Não me sinto à vontade que as pessoas me verem nua e crua. Não ando sem maquiagem”, declarou a artista.

> Siga o Virgula no Instagram! Clique e fique por dentro do melhor do Entretê!

“Não me acho bonita, não me sinto confortável. Eu acho que essa coisa da internet, dos filtros, do padrão de beleza, a gente só vê os outros como eles querem ser vistos. Eu cresci assim, me vendo maquiada. Me vendo arrumada, sendo tão exposta. A minha cara é aquela, a minha cara é essa que as pessoas veem pronta”, completou Sandy .

Segundo o psicólogo Alexander Bez,  a questão da maquiagem permanece uma constante na vida das mulheres, com algumas sentindo a necessidade de usá-la sempre ao sair de casa, enquanto outras conseguem prescindir dela. No entanto, quando se trata de mulheres midiáticas, em constante exposição, a dinâmica muda, envolvendo não apenas uma correção estética, mas também um componente psicológico. Para artistas, essa condição é ainda mais amplificada.

“A importância da maquiagem vai além da aparência externa, abrangendo as necessidades intrínsecas à exposição pública, que se entrelaçam profundamente com a personalidade das mulheres, contribuindo para moldá-las. Dadas essas circunstâncias inerentes, a maquiagem se torna indispensável e inseparável na construção de suas vidas”, explica o especialista.

“É crucial lembrar que as estruturas mentais são individuais, guiando as dinâmicas psicológicas de nossas ações diárias. No caso de figuras públicas como Sandy, afirmar que sua busca pela beleza é apenas resultado de pressões externas ou uma falta de autoestima torna-se impossível, principalmente porque sua estética está intrinsecamente ligada a seu diferencial artístico, algo inato desde o nascimento”, enfatiza Alexander .

Por outro lado, a psicologia sustenta a ideia de que manter uma autoestima equilibrada muitas vezes envolve cuidar da aparência, incluindo a maquiagem, como uma forma de se sentir bem consigo mesma. Se uma mulher está feliz e confiante dessa maneira, críticas tornam-se irrelevantes, pois o que importa é sua própria satisfação.

“Ao abordar a questão da “beleza adquirida artisticamente”, referindo-se à profissão exercida desde a infância, aos 6 anos, observamos que não há distorção de imagem percebida pela própria pessoa. Além disso, não são evidenciados transtornos relacionados à sua percepção de imagem. Se em algum momento ela expressar desconforto em relação à própria aparência, isso pode ser atribuído ao fato de estar acostumada desde cedo a essa condição, não indicando necessariamente um transtorno psicológico específico”, finaliza o psicólogo.


int(1)

Psicólogo explica o que está por trás da aceitação de famosos sobre maquiagem